• Gabriela Traversim

De gente pequena: 11 livros para os mais novinhos

Atualizado: 9 de nov.

Ler para as crianças pequenas é uma maneira de inseri-las no mundo letrado. Mesmo que elas não compreendam os signos da palavra escrita, mostrá-los faz com que se sintam inseridos nesta realidade leitora e os livros são ótimos recursos para isso. Selecionamos hoje, onze títulos que são importantes escolhas para ler junto dos mais novinhos. Não apenas por serem fáceis de serem lidos, estes livros possuem enredos cativantes, com sonoridade, ritmo, ilustrações detalhadas que complementam a história e que são interessantes opções para ler junto com as crianças. Todos estão disponíveis na biblioteca do Colégio e podem ser emprestados para uma leitura compartilhada.


A Vaquinha Marta: série de livros de Germano Zullo e Albertine

Marta é uma vaquinha cor de laranja muito curiosa. No primeiro livro da série, de um total de quatro, ela se aventura a andar de bicicleta. Onde já se viu, uma vaca em uma bicicleta? Atraída pela velocidade e silêncio desse meio de transporte, Marta decide aprender a pedalar. E essa é a primeira de suas aventuras: no segundo livro da série, ela decide viajar de balão. No terceiro, intrigada com a vida marinha, decide investigar a profundidade dos mares e faz um amigo, o polvo. Já quarto e último livro , Marta retorna de viagem para o vilarejo de onde saiu. Uma história simples, mas muito bem construída sobre as possibilidades de descobrir coisas novas.

Ruído, de Pablo Albo e Guridi

É um dia normal, na história de Patrícia. Ela vive em uma cidade silenciosa, mas neste dia, a música tocava tão baixo que Patrícia foi obrigada a colocar o som no último volume. Instantaneamente uma batida envolvente começa a contagiar sua manhã e a de seus vizinhos também! Instantaneamente, os moradores daquela cidadezinha tão silenciosa começam a reproduzir sons tão altos quanto a música de Patrícia: em uma tentativa de se fazerem ouvidos, para que a mocinha, então, abaixasse o volume.

Animais de circo, sirenes, batuques, chá-chá-chás, buzinas e todo barulho que se tem conhecimento começou a surgir naquela cidade pacata. Mas o final é o mais surpreendente dessa confusão toda e deixo aqui o mistério para você, leitor, descobrir junto de um pequeno leitor que irá adorar essa história barulhenta.

Pequenas observações sobre a vida em outros planetas, de Ricardo Silvestrin e Mariana Massarani

Estamos acostumados a conhecer o sistema solar com todos os planetas tradicionais: Terra, Marte, Júpiter, Saturno e até Plutão, que hoje já não é mais planeta… Mas e o Planeta Poft? Conhece? Planeta Poesia, você já ouviu falar dele? Com certeza conhece o Planeta ao Contrário, certo? Não?

Bom, este livro de Ricardo Silvestrin é sobre planetas diferentes, como estes citados antes. Cada planeta tem seu poema escrito pelo autor, como no Planeta Poft, em que os puns são perfumados! Já no Planeta Poesia, que coisa mais linda seria, se a cada palavra dita, uma rima se emendaria. Até rimou.

As ilustrações do livro são de Mariana Massarani, artista conhecida no meio literário por dar vida ao Marcelo, de Ruth Rocha dentre outros livros de outros autores, como o clássico da literatura infanto-juvenil, Mania de Explicação, de Adriana Falcão.


O caso do bolinho e O grande rabanete, de Tatiana Belinky

Histórias de acumulação são bastante apreciadas pelas crianças pequenas. Pelo ritmo sonoro ao ser lida em voz alta, pela previsibilidade do enredo e repetição de palavras, os leitores têm a atenção capturada e a história se torna o foco de interesse deles.

Ambos os títulos de Tatiana Belinky são histórias de acumulação. Em O caso do bolinho, temos um bolinho que sai pela janela e desce rolando o morro, passando pela lebre, pelo lobo e chegando até a raposa. Em qualquer iminência de ser comido, o bolinho muito esperto canta uma música e consegue driblar aquele que o quer devorar.

Já em O grande rabanete, o vovôzinho da história plantou um rabanete em sua horta, que ficou maior do que esperava. Na hora de colhê-lo para o almoço, não conseguiu retirá-lo sozinho da terra e precisou pedir ajuda da vovó. Assim, outros personagens vão entrando na história na tentativa de retirar o rabanete da terra.


A festa no céu, recontado por Cristina Porto

Uma clássica história do folclore brasileiro, A festa no céu é uma história que muitos já conhecem, ou pelo menos ouviram falar. A aventura de um jabuti que gostaria de participar de uma festança no céu, mas impedido de comparecer por não ter asas para voar, pega carona no violão do Urubu. Mas o peso do animal atrapalhou a viagem de volta e ao cair, o jabuti tem seu casco completamente quebrado. Essa narrativa explica, através de uma fabulação, o motivo do casco dos jabutis ser todo quadriculadinho. De acordo com o apêndice no final do exemplar, a história de A festa no céu é um “conto etiológico, porque procura explicar a origem do casco em pedaços dos quelônios, como o jabuti e a tartaruga.”


A história da minha casa, de Sibélia Zanon e Paloma Portela

A nossa casa é parte importante da nossa vida e da nossa história, não é mesmo? Ela é nosso refúgio. É onde encontramos nossa família, onde descansamos e nos alimentamos e passamos boa parte do tempo com pessoas queridas. Para os animais, a casa não é um ambiente diferente do nosso. Neste livro de Sibélia Zanon, os inquilinos da casa são os animais da fauna brasileira e a residência, as árvores. Primeiro um caquizeiro, depois em um abacateiro, os animais mostram como é a vida nas árvores. Ao final da história, podemos ver as ilustrações dos bichos e seus nomes científicos, como o João-de-barro, Furnarius rufus, que aparece logo no começo do livro dentro de sua tão característica casa.


As asas do crocodilo, de Gilles Eduar

Dinossauros, crocodilos e dragões são seres muito interessantes para crianças pequenas. Aqui na biblioteca, livros com estes personagens são muito procurados. Este livro de Gilles Eduar tem um crocodilo como personagem principal, mas conforme a história se desenrola, descobrimos que ele não é um crocodilo tradicional. Juca é um crocodilo que chega na história subitamente, mas logo é visto com outros olhos pelos os demais crocodilos. Ele usa uma camiseta listrada, adormece na água e seu nome é estranho demais para os colegas. Além disso, seu nariz solta fumaça e ele tem antenas na cabeça. Era o crocodilo mais estranho que já havia aparecido por ali… Até que um forte espirro fez Juca soltar chamas pela boca.

Com receio, os outros crocodilos se afastam de Juca e o mesmo fica intrigado por não saber o que está acontecendo consigo mesmo. Até que ele conhece um pelicano chamado Pepelicano, que o ajuda a entender que ele não é um crocodilo, mas um dragão. O novo amigo de Juca diz “As diferenças são dons [...] é preciso aprender a tirar proveito delas”.

Essa história simples traz uma mensagem muito significativa para as crianças sobre respeito às diferenças de uma forma muito engraçada e bonita. Juca, com a ajuda de seu amigo, consegue ver que suas diferenças não são ruins e descobre maneiras de ressignificar sua existência. E o final é a coisa mais bonita de se ver.


104 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo