• Gabriela Traversim

Tal Pai, Tal Filho...

Em nossas vidas, sempre existe alguém que é a nossa inspiração, não é mesmo? Pode ser um amigo, um colega de trabalho, até mesmo uma celebridade, mas para algumas pessoas, a primeira inspiração na vida é a figura paterna. E no meio literário, não poderia ser diferente! Hoje, vou falar um pouquinho sobre alguns autores que se inspiraram tanto em seus pais, que acabaram seguindo os mesmos passos deles.


A primeira dupla, é muito conhecida aqui no Brasil: o cronista Luis Fernando Veríssimo e seu pai Érico Veríssimo. Luis, foi consagrado como um dos maiores escritores brasileiros contemporâneos e não dá para negar que muito disso se deu por influência de seu pai, Érico Veríssimo. Luis Fernando Veríssimo, não só é cronista, mas também é cartunista, humorista e músico!


Na primeira foto, encontra-se Érico Veríssimo e logo em seguida, seu filho: Luis Fernando Veríssimo.



Seu pai, Érico Veríssimo, falecido em 1975, também foi um importantíssimo escritor do século XX. Escreveu obras como: "Olhai os lírios do campo", a trilogia "O tempo e o vento" ( O Continente, O Retrato e O Arquipélago) e "Senhor Embaixador". Érico foi professor na Universidade da Califórnia, em Berkeley e Luis Fernando viveu parte de sua infância junto a ele nos Estados Unidos. Quando adulto, Luis publicou diversas obras, tais como: "Aquele estranho dia que nunca chega" e "Comédias para se ler na Escola".




Vocês já se confundiram com o Alexandre Dumas e o Alexandre Dumas, filho? Pois eu já! Por diversas vezes achei que o pai era o filho, e vice versa. Bom, isso tem uma explicação, ambos são escritores de obras famosíssimas! Alexandre Dumas (pai) escreveu nada mais, nada menos que "O Conde de Monte Cristo", "Os Três Mosqueteiros" e "O Homem da máscara de ferro"! Obras consagradas da literatura mundial que foram eternizadas nas telas do cinema. Já Alexandre Dumas, o filho, escreveu diversas peças de teatro e sua principal obra literária é "A Dama das Camélias".


Alexandre Dumas (pai) e logo em seguida, Alexandre Dumas (filho) e suas obras mais famosas.



Aposto que você conhece ou pelo menos já ouviu falar dessa dupla de pai e filho. Com certeza você se aterrorizou com as histórias de um deles e levou um susto de um filme ou outro que foi adaptado ao cinema. Bom, Stephen King e Joe Hill podem ser considerados como a realeza da literatura de terror moderna. Stephen escreveu mais de 50 romances e muitos deles foram adaptados para o cinema, como Carrie, a Estranha; A Espera de um milagre e O Iluminado. Seu filho, Joe Hill está seguindo pelo mesmo caminho; seu livro O Pacto, já foi adaptado ao cinema e recentemente ele publicou uma coletânea de contos intitulada O Carrossel Sombrio e outras histórias; dois contos desta coletânea foram escritos em parceria com seu pai e um desses contos, Campo do Medo, foi adaptado e está na Netflix!


Stephen King e seu filho, Joseph Hilstrom King.


Bom, nós temos obras desses autores em nossas biblioteca, mas acredito que algumas histórias sobre pais e filhos também merecem ser lembradas neste post. Estes livros são tão bons que não podem ficar de fora, não é mesmo?

Em “O homem que amava caixas”, Stephen Michael King (nãããão este aqui não é de terror) nos conta a linda história de amizade entre pai e filho e o amor pelas pequenas coisas da vida. Stephen demonstra, com poucas palavras, quanto um homem é capaz de amar seu filho e demonstrar isso através de seus gestos.

Em “Papai é meu” de Ilan Brenman, duas irmãs disputam para ver quem ama mais o pai. Aposto que já aconteceu com alguém aí, não foi? A disputa fica tão acirrada que ao puxarem o pai, elas acabam rasgando ele ao meio! “Pai Cabide”, também do Ilan, nos conta uma história baseada na relação pessoal do autor com suas filhas.


“Tanto, Tanto!” da autora Trish Cooke e da ilustradora Helen Oxenbury, conta a história de uma festa de aniversário; todos nós já ficamos super ansiosos para festejar a vida daquele que amamos, não é mesmo? Em “Meu pai, o grande pirata”, Maurizio Quarello e Davide Calí, nos contam a história da perspectiva de um menino, sobre o trabalho de seu pai. Um livro de encher os olhos d'água e dar aquele apertinho de saudade no coração.


As pessoas inspiradoras estão em diversos lugares; alguns familiares desempenham esse papel por estarem próximos a nós. Pode ser um tio ou uma tia, um avô ou um primo… não importa quem seja. Vamos celebrar estas pessoas que contribuem para quem nós somos e porque não ler um livro junto com eles? Afinal de contas, você também pode ser a inspiração dessa pessoa!


Você tem alguém que te inspire? Conta para gente!