• Gabriela Traversim

Você já viu Milufas na janela?

Nos dois últimos anos, vivemos algumas situações atípicas que acenturam as saudades, as distancias e a vontade de rever pessoas queridas. Utilizamos de muitos recursos para contornar estas situações e hoje, estamos mais próximos de uma normalidade do que antes já estivemos. O livro "Milufas na janela" nos mostra um lindo retrato de uma avó e sua neta para contornar a saudade uma da outra, em momentos tão difíceis quanto os vividos por nós.

Imagem do livro "Milufas na Janela" de Flávia Lins e Silva. Ilustração de Mariana Massarani. Editora Globinho. p.6 -7


A história deste livro é um pouco do que todos nós vivenciamos nos últimos dois anos. Os dias que se passaram enquanto precisávamos ficar em casa, sem contato com o mundo exterior e as formas que encontramos para nos distrair, trabalhar, estudar e viver são situações muito sutis apresentadas no livro “Milufas na janela”, de Flávia Lins e Silva (autora de “O Diário de Pilar” e “Detetives do prédio Azul”).


“Eram tempos difíceis. Lina estava cansada de ficar em casa, grudada na janela. Nada acontecia lá fora, a não ser um vento forte e sombrio, que parecia espalhar tristeza por todo lado. A menina não podia encontrar os amigos. Não podia visitar a avó. Que mesmice!” (p. 5).

Milufas são pequenos seres, menores do que um fósforo e que gostam de viver em cascas de ovos. São criaturas aladas, “mais ágeis que fadas e mais brincalhonas que gnomos”. Foram estes pequenos seres que salvaram Lina e sua avó do tédio e do ócio em um momento em que não poderiam sequer se encontrar. A única alternativa foi a busca pelas Milufas e a pequena Lina não perdeu tempo na missão: fez desenhos de flores, plantou sementes em algodão, deixou salada de frutas e ficou olhando pela janela esperando encontrá-las. Sua avó, Teresa, reproduzia as ações em sua casa e as duas se comunicavam pelo telefone, narrando as aventuras enquanto matavam a saudade uma da outra.



Um pozinho, que as Milufas deixam por onde passam, não ficou despercebido pelas duas e a magia deste fenômeno levou pelo ar a imensa vontade de um abraço que a neta sentia até sua avó, aproximando-as ainda mais, mesmo que distantes fisicamente.

Esta história é muito bonita e de uma delicadeza sem tamanho. A ilustração feita por Mariana Massarani, tão icônica aos apreciadores de literatura infantil, remete à uma época da infância em que as coisas eram resolvidas em um passe de mágica. Com cores, texturas e montagens, a narrativa fica mais bonita e esperançosa à medida que as páginas são viradas e o reencontro entre avó e neta fica cada vez mais próximo.

Hoje, estamos cada vez mais próximos de uma normalidade, sem distância e sem isolamentos. A esperança, enfim, bate à porta; com Milufas, pós de Lumis-lumis, muita dança e alegria.

Imagem do livro "Milufas na Janela" de Flávia Lins e Silva. Ilustração de Mariana Massarani. Editora Globinho. p.20-21.


Assista ao trailer do livro no vídeo abaixo:




104 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo