top of page
  • Maysa Rocha

Os ombros suportam o mundo de Carlos Drummond de Andrade.

Atualizado: 24 de abr.

Carlos Drummond de Andrade, um dos maiores poetas da Língua Portuguesa, é mais um dos autores contemplados pela Fuvest em 2024 com seu primeiro livro chamado "Alguma Poesia", publicado em 1930. No blog de hoje, nós vamos dar um breve resumo de sua vida e um pouco da sua obra.



Quem foi Carlos Drummond de Andrade? 

Carlos Drummond de Andrade, nascido em Itabira, Minas Gerais, no dia 31 de outubro de 1902, foi um dos mais notáveis poetas brasileiros. Criado em uma fazenda, sua obra reflete a constante presença de sua terra natal. Ainda jovem, foi expulso de um colégio em Nova Friburgo devido a um incidente de "insubordinação mental", o que não o impediu de seguir sua paixão pela escrita, colaborando com jornais e vencendo concursos literários desde cedo. Graduou-se em Farmácia, mas nunca se dedicou à profissão, escolhendo, em vez disso, lecionar e trabalhar em jornais, incluindo o Diário de Minas. Sua contribuição ao modernismo brasileiro foi significativa, especialmente através da fundação de A Revista. Drummond recebeu numerosos prêmios ao longo de sua vida, incluindo o Jabuti e o Prêmio da Associação Paulista dos Críticos de Arte. Sua trajetória pessoal foi marcada por momentos de alegria e profunda tristeza, como a perda de sua única filha, falecida de câncer. Essa dor profunda antecedeu sua própria morte, por insuficiência respiratória, em 17 de agosto de 1987, encerrando a vida de um dos maiores poetas da Língua Portuguesa.



Alguma Poesia:

Provavelmente o título de um clássico mais humilde da literatura brasileira, "Alguma Poesia" é uma seleção de poemas escritos entre 1925 e 1930, publicada quando o poeta tinha 28 anos e foi a primeira obra de Drummond. Os seus poemas mais conhecidos “Poemas de sete faces”, “No meio do caminho" e “Quadrilha”, fazem parte deste livro. Uma curiosidade sobre a trajetória que antecedeu a publicação é que Mário de Andrade foi um dos principais apoiadores de Drummond, indo fazer cotação com gráficas de São Paulo, pedindo amostras de papel e dando conselhos. Mesmo o livro sendo publicado em uma gráfica de Minas Gerais, toda essa ajuda resultou para Mário a dedicatória do livro: “À Mário de Andrade, meu amigo.”



Veja alguns vídeos, artigos e podcasts que podem servir como apoio para a compreensão das profundidades dos poemas apresentados no livro: 

Vídeos:





Artigos:

Podcasts:

Poesia 
Gastei uma hora pensando um verso 
que a pena não quer escrever.
No entanto ele está cá dentro 
inquieto, vivo.
Ele está cá dentro 
e não quer sair.
Mas a poesia deste momento
inunda minha vida inteira

64 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page