• Paula Lima

Mês de férias, mês de Copa!


Olá, pessoal, tudo bem?

Como se as férias já não fossem ótimas pelo fato de não precisar ir pra escola e de virem logo depois da festa junina, neste ano elas têm mais uma vantagem: a Copa do Mundo! É muita coisa boa junta, não é, não?

Aqui no blog a gente adora um jogo de futebol e também uma boa leitura, então, o post de hoje vai misturar essas duas coisas e te entregar prontinho mais um programa bacana pra essas férias. Se liga nas nossas dicas:

Uma história de futebol

José Roberto Torero, Companhia das Letrinhas, 2017


Este livro teve origem com um curta-metragem que chegou até a concorrer ao Oscar em 2001. Conta a história do Zuza, um menino do interior de São Paulo que prefere jogar uma pelada a estudar matemática, apesar de ser ruim de bola, e do seu melhor amigo Dico, filho de jogador e o craque do time da turma. Eles entram numa competição de futebol que tem muita coisa em jogo: a imagem deles para a menina mais bonita da escola, a coragem de enfrentar no campo um time muito melhor que o deles e o orgulho de peitar o menino mais encrenqueiro da cidade. O autor, José Roberto Torero, faz a gente sentir saudade de um tempo bom que nem é nosso, mas que fala de meninices, amizade, campinhos do interior, primeiros amores e da infância de uma estrela gigante da bola. Dá pra assistir ao filme aqui mesmo, ó:


Folclore de chuteiras

Alexandre de Castro Gomes, Peirópolis, 2014

A seleção canarinho deste livro tem uma escalação bem diferente de todas que você já viu: a Mula sem cabeça, o Boitatá, o Negrinho do Pastoreio, o Saci e outros craques do nosso folclore, selecionados pelo técnico José Lobato (será?). No campo do adversário brasileiro, está um time de feras do mundo inteiro: Frankenstein, Pé Grande, a Múmia, o Ciclope, o Abominável Homem das Neves e outros monstros que povoam o nosso imaginário e que você nem imaginava que eram bons de bola. E essa partida muito doida é toda narrada por um locutor de futebol de rádio, com repórter em campo e tudo! Se fosse apostar num bolão, qual dos dois times você chutaria que vai ganhar?

A bola e o goleiro

Jorge Amado, Companhia das Letrinhas, 2008

Pode não parecer, mas este livro superdivertido de Jorge Amado traz uma história de amor. Não qualquer história de amor, mas a de um casal muito inusitado: uma bola que era garantia de gol para quem quer que chutasse e um goleiro que só levava frango. Ela era imparcial, a melhor amiga dos artilheiros e a inimiga número um do zero no placar de qualquer jogo. Tanto que era chamada de Fura-Redes e, pelo Rei do Futebol, de Redondinha. Ele tinha uns apelidos menos lisonjeiros: Mão-Furada, Cerca-Frango, Mão-Podre, Rei do Galinheiro. Não pegava uma bola. Até que ela se apaixonou por sua camisa cor de caramelo...

#futebolCopadoMundoférias